Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

365 forte

Sem antídoto conhecido.

Sem antídoto conhecido.

27
Fev15

A apologia da Política

Nuno Pires

Em 2009 inaugurou-se em Portugal uma lamentável e vergonhosa maneira de estar na política. Achincalhar, apenas porque sim. Falar mal de todo um país, apenas porque isso daria uns votos. Transformar a política numa espécie de "jogo de claques", numa "luta na lama", uns contra os outros, em que se procura única e exclusivamente menorizar o adversário mesmo que à custa da reputação de um país, quando no fundo aquilo que se está a menorizar verdadeiramente é a inteligência coletiva, a capacidade de olhar e pensar a cidade.

Estar na política, saber o que é a política, fazer política, não tem absolutamente nada a ver com este lamentável e embaraçoso espetáculo. Tal postura, em rigor, é precisamente o oposto: é a negação da política, é a sua rejeição.
É perfeitamente possível (e até provável e louvável) reconhecer os progressos de um país, o contributo de um povo (ou povos), em particular num contexto em que a absoluta incompetência governativa de uns obrigou outros a darem o melhor de si.

Mas eu compreendo que aqueles que acabaram por ver esta sua "estratégia" de achincalho premiada nas urnas possam ter, erradamente, interiorizado que aquilo é política. E percebo que agora estranhem muito que haja alguém com uma postura mais construtiva, mais aberta, mais honesta.

O que se passou com as declarações de António Costa (e que, temo, voltar-se-á a repetir dada a absoluta falta de argumentos dos seus detratores), é muito mais revelador do grau de inaptidão política de quem se apressou a tentar converter em escândalo uma declaração razoável (porque verdadeira) do que daquele que se recusa a recorrer ao mero achincalho, ao "isto está péssimo, estamos todos condenados e a culpa é toda ali daqueles senhores".

Mas as estratégias para enganar tolinhos, frequentemente orquestradas por tolinhos, têm quase sempre o condão de serem de fácil desmontagem.

Aos que tomaram as declarações de Costa como escandalosas, alinhando na referida estratégia, e ainda não descortinaram o que lhes sucedeu, eu ajudo: esta sessão, onde Costa fez as referidas declarações, decorreu no dia 19; foi divulgada apenas anteontem, dia 25.

Uma alminha mais... crente (chamemos-lhe assim) poderá ainda não ter percebido e continuará a assumir que este hiato foi preenchido com as complexas e prolongadas tarefas de editar uma reportagem ou fazer um ficheiro áudio para telemóveis.

Obviamente, não foi o caso. No dia em que alguns se entretiveram a procurar um escândalo nas declarações de Costa, a Comissão Europeia anunciou que Portugal passou a integrar os países sob vigilância orçamental, em virtude de "riscos importantes", certamente fruto da governação de excelência de Passos Coelho, Paulo "irrevogável" Portas e seus amigos.

Para além disso, foram divulgados os números da execução orçamental. Parece que a despesa subiu.

Ouviram falar muito disso? Não? Pois...

 

10 comentários

Comentar post

«As circunstâncias são o dilema sempre novo, ante o qual temos de nos decidir. Mas quem decide é o nosso carácter.»
- Ortega y Gasset

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

No twitter

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D