Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

365 forte

Sem antídoto conhecido.

Sem antídoto conhecido.

06
Jul13

A credibilidade externa é bué grande

David Crisóstomo

 

Há quatro meses éramos isto:

 

"O primeiro-ministro afirmou hoje, em Haia, que a melhoria do 'rating' de Portugal como pagador a longo prazo, anunciada pela Standard & Poors, é um "sinal de recompensa" para todos os portugueses, que têm feito "sacrifícios enormes". Pedro Passos Coelho, que falava numa conferência depois de um encontro com o seu homólogo holandês Mark Rutte, destacou o facto de ter sido a primeira vez, desde o início da crise, que uma agência de notação financeira ('rating') alterou a perspetiva de notação para Portugal. "Esperemos que seja a primeira de uma sequência de melhorias que o nosso 'rating' possa vir a reconhecer, sobretudo se ele tiver um chão sólido, quer dizer se não for feito com resultados ocasionais, mais se for construído com resultados duráveis", afirmou. O primeiro-ministro qualificou a decisão da Standard & Poors como um "sinal de recompensa para todos os portugueses que têm feito os sacrifícios enormes que são conhecidos para ultrapassar a situação de crise em que vivemos". Pedro Passos Coelho considerou ainda que a decisão da agência de notação financeira é uma "primeira informação no espaço público que reconhece a perspectiva de Portugal poder fazer um regresso a financiamento não oficial de uma forma bem-sucedida", o que disse ser "essencial" para evitar um segundo resgate."

 

Ora bolas:

 

"A agência de notação financeira disse, em comunicado hoje emitido, que manteve o `rating` atribuído à dívida de longo prazo de Portugal em `BB`, o segundo nível da escala já considerada como `lixo`, tendo, no entanto, passado as perspetivas (`outlook`) de estáveis para negativas, o que significa que a nota de Portugal pode ser alterada no curto prazo."


Olha que porra pá, 2 anos de credibilidade externa acumulada foram pelo cano abaixo numa semana.

Oh well, ao menos temos estabilidade governativa as finanças públicas estão consolidadas o rigor na educação está a aumentar o desemprego foi reduzido a divida está a decrescer a economia está a recuperar estamos mais competitivos o mundo não acabou em 2012.

 

1 comentário

Comentar post

«As circunstâncias são o dilema sempre novo, ante o qual temos de nos decidir. Mas quem decide é o nosso carácter.»
- Ortega y Gasset

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

No twitter

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D