Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]



29
Jun

Futebol não é o ópio do povo

por Pedro Figueiredo




Não deixa de ser irónico que um país onde o futebol é amado e adorado, único com cinco títulos mundiais e das equipas que mais costumam encantar o mundo, depois da Argentina, se tenha revoltado por causa do dinheiro gasto para receber a Taça das Confederações, a decorrer, e o Mundial de 2014.


O descontentamento provocado pela construção de um complexo imobiliário numa praça defendida pela população na Turquia virou-se, no Brasil, no aumento das tarifas dos autocarros. A emergência de uma classe média mais instruída pode estar na base da explicação para tais comportamentos. Pode não ter renegado o desporto-rei como forma de distracção e veículo de paixão clubística - autênticas tribos no seu sentido mais antropológico -, mas percebeu que tal como a religião, o futebol não pode ser uma espécie de ópio do povo. Como diz uma amiga com quem discuti a questão, isto tem marximo all over.


Já com a grande parte dos estádios que vão servir de casa ao Mundial do próximo ano construídos e prontos depois de muitas insistências da FIFA devido aos atrasos, as críticas da população viraram-se para as obras sumptuosas que estavam a ser feitas em formas de estádios de futebol.


Quando são as pessoas a gritar na rua que não querem mais corrupção, isso já não é demagogia. O Brasil pode representar três quintos da economia sul-americana, mas este Mundial já está a ser o mais caro da história do futebol e as obras, pelos vistos, ainda não terminaram. As facturas estão a chegar e as pessoas sentiram.


Entretanto, Neymar vai dando um espectáculo nos relvados para o mundo inteiro, com pessoas à porta a incendiar veículos da imprensa, como crítica à forma como têm sido cobertos os acontecimentos no país.


Pelé, o nome brasileiro incontornável do futebol mundial, fez perceber mais uma vez que a sua linguagem era mesmo apenas e só a da bola. Li num tweet brasileiro que depois do comentário de Pelé sobre as manifestações: «Vamos apoiar a seleção nacional. Vamos esquecer a confusão, esquecer os protestos»,  que só não podia faltar o Master Card. Polga, que entrevistei recentemente, disse-me que as pessoas têm todo o direito de se manifestarem, mas que deviam pensar na imagem que estavam a dar do Brasil para o exterior.


Carlos Drummond de Andrade, que deu o prazer ao futebol de dedicar umas prosas, como só ele tinha o dom de escrever, em homenagem ao futebol, disse uma vez: «A minha vontade é forte, mas a minha disposição de obedecer-lhe é fraca.» Não creio que estivesse a referir-se aos brasileiros. Não aos que estão na rua a impedir que se propague o caos, mas que o Governo ouça que assim não dá mais. Afinal de contas, por que razão as insígnias do Brasil serão Ordem e Progresso?

Autoria e outros dados (tags, etc)


2 comentários

De Portal SAPO a 30.06.2013 às 10:09

Bom dia
O seu post está em destaque na área de Opinião da homepage do SAPO.
Atenciosamente
Portal SAPO

De Blog post a 03.07.2013 às 03:48

Comentar post




Sitemeter



Comentários recentes

  • Jaime Santos

    Eu não entendi o comentário do Diogo Moreira nesse...

  • MRocha

    Se está na lei que devem ser públicas, cumpra-se a...

  • Jaime Santos

    Trump, além de mentiroso, é sobretudo um egomaníac...

  • Joe Strummer

    Pois, mas convem não deixar que noutro lado se ins...

  • Anónimo

    E estou eu contratado pelo estado à 16 anos.







«As circunstâncias são o dilema sempre novo, ante o qual temos de nos decidir. Mas quem decide é o nosso carácter.» Ortega y Gasset