Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

365 forte

Sem antídoto conhecido.

Sem antídoto conhecido.

01
Nov12

Tão fácil como tirar um rebuçado a uma criança

Nuno Pires

A atribuição de novos cheques-dentista a crianças e jovens foi suspensa, sem que os motivos para tal decisão tenham sido devidamente comunicados. Segundo foi entretanto noticiado, no início de 2013 retomar-se-á a atribuição destes cheques, mas – depois de tantos avanços e recuos – eu prefiro ver para crer.

 

O cheque-dentista foi introduzido pelo XVII Governo, no âmbito do Programa Nacional de Promoção de Saúde Oral, e assumiu-se como um dos mais importantes passos para a resolução de um problema de décadas em Portugal: o acesso da população portuguesa a cuidados de saúde oral. O balanço realizado em dezembro de 2010, junto, precisamente, daqueles que agora viram suspenso o acesso a estes apoios, permitiu confirmar a importância e os benefícios do cheque-dentista.

 

 

As dúvidas sobre o que levou a esta decisão adensam-se ao constatar a sinistra coincidência que o vizinho Nuno Serra expôs no Ladrões de Bicicletas (cujos valores não tive oportunidade de confirmar), a qual confirma que o valor “poupado” com esta suspensão poderia ser facilmente obtido através de poupanças noutras áreas, seguramente com menor impacto junto da população – e, em particular, da população jovem mais carenciada.

 

Ontem, no debate do Orçamento do Estado para 2013, ouvi um deputado do PSD dizer que esta suspensão deveu-se, entre outras coisas, ao facto de existirem mais cheques-dentista emitidos do que utilizados, o que me parece ser uma estranha confissão de ignorância sobre o funcionamento deste tipo de apoios (aliás, eu não consigo imaginar um sistema deste tipo em que tal não ocorra).

 

Face a tudo isto, é deplorável que, no processo de identificação das tão famosas “gorduras do Estado”, o Governo tenha optado por limitar o acesso a cuidados de saúde oral por parte dos mais novos. E é complicado, face à informação disponível, perceber o que terá realmente levado a esta decisão. A bizarra hipótese de se ter recorrido à população mais nova por esta não se indignar, não se fazer ouvir, não se manifestar, ainda que bizarra, não encontra contraditório válido.

 

1 comentário

Comentar post

«As circunstâncias são o dilema sempre novo, ante o qual temos de nos decidir. Mas quem decide é o nosso carácter.»
- Ortega y Gasset

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

No twitter

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D