Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]



31
Out
Nas redes sociais apela-se às mais altruistas das emoções em cada um de nós: Ele há videos espalhados de ajudas no limite, de aleitamento inter-específico, ele há a valorização do sorriso, do abraço, do beijo, do sexo, dos velhinhos; do sexo dos velhinhos.

Ele há contos brasileiros sobre crianças que pedem nas ruas e nos dão lições de vida e nos envergonham porque temos um iphone. Ele há coros de jovens louríssimas a revisitar velhos hit's e deixando-nos a espinal medula capaz de hastear a bandeira, ao contrário que seja. Ele há cãezinhos e gatinhos, power points de templos e ravinas em países maravilhosos, onde a população não come uma malga de arroz sequer por dia mas que é óptima para lá ir passear. E ele há bater no Sócrates, claro, e apesar de tudo.

Cá fora, no entanto, a vida é outra. Há mensalidades e há o dinheirinho. O dinheirinho irredutivel e inclemente. Nada se faz sem ele, nada se pode sem ele. 

A criança pobrezinha que nos pediu comida? É que nem a ouvi.

O abracinho grátis na rua? Xô daqui ! Antes que eu chame a policia. 

O cãozinho abandonado? Coitadinho...Mas e o preço das vacinas? E quando eu quiser sair para férias?

O nosso hedonismo e a joie de vivre pagam-se com dinheirinho.

Sem ele nada temos, com ele ao nada chegaremos, ao imenso nada em que estamos a transformar a sociedade humana.

Autoria e outros dados (tags, etc)




Sitemeter



Comentários recentes

  • Jaime Santos

    Eu não entendi o comentário do Diogo Moreira nesse...

  • MRocha

    Se está na lei que devem ser públicas, cumpra-se a...

  • Jaime Santos

    Trump, além de mentiroso, é sobretudo um egomaníac...

  • Joe Strummer

    Pois, mas convem não deixar que noutro lado se ins...

  • Anónimo

    E estou eu contratado pelo estado à 16 anos.







«As circunstâncias são o dilema sempre novo, ante o qual temos de nos decidir. Mas quem decide é o nosso carácter.» Ortega y Gasset