Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

365 forte

Sem antídoto conhecido.

Sem antídoto conhecido.

13
Mai13

CDS-PP, o partido de tudo

Nuno Pires

 

O XIX Governo Constitucional, que integra dois partidos, está quase a celebrar o seu 2.º aniversário. E, ao fim deste tempo, é cada vez mais visível não apenas a nulidade que o segundo partido do Governo representa, mas, acima de tudo, o CDS-PP revela de forma clara a contradição factual entre aquilo que o partido chama a si, quando na oposição, face àquilo que faz, quando no Governo.

 

Exemplos concretos? Não pretendendo ser exaustivo, aqui ficam alguns.

 

O CDS-PP não é o partido da lavoura.
Tendo ficado com a tutela da Agricultura (num mega-ministério de difícil gestão, diga-se), o CDS-PP e Assunção Cristas tiveram como "momentos altos" a introdução de uma taxa de saúde e segurança alimentar e a eliminação das gravatas no ministério. Enquanto isto, a produção agrícola continuou (e continua) a deparar-se com os efeitos do aumento do custos de produção, os pequenos agricultores lutam pela sobrevivência e os jovens continuam sem ver oportunidades na lavoura.
Enquanto esteve na oposição, o CDS-PP não se cansou de lançar acusações (na sua larga maioria, baseadas no mais puro desconhecimento) sobre o PRODER. Chegados ao Governo, o marasmo instalou-se no principal mecanismo de apoio à agricultura em Portugal e os bons níveis de execução resultam, na sua larga maioria, de projetos aprovados pelo executivo anterior.
Por estas e por outras, o CDS-PP não tem a mais pequena legitimidade para se auto-proclamar como o "partido da lavoura".

 

O CDS-PP não é o partido da família.
Um partido que vota, e aplaude na sua votação, um documento que determina um brutal corte no Fundo de Garantia dos Alimentos Devidos a Menores, não é um partido que defende a família, especialmente as famílias mais carenciadas. Um partido que resolve inventar um "visto-família" para as deliberações em Conselho de Ministros, que como todos sabemos têm sido tão "family friend" (e.g., a proposta de aumento generalizado do horário de trabalho em meia hora), não pode, apenas por isso, anunciar-se como defensor da família. Um partido que subscreveu o violento aumento das taxas moderadoras, não é, definitivamente, um partido que apoie as famílias.
Face ao exposto, a que acrescem outras e diversas dificuldades levantadas pela sua co-governação à generalidade das famílias portuguesas, o CDS-PP é, em bom rigor, um partido que levanta obstáculos à família, ao invés de um partido que as defende.

 

O CDS-PP não é o partido dos pensionistas.
A enorme cruzada do CDS-PP, enquanto oposição, em defesa dos pensionistas granjeou-lhe a tutela do Ministério da Solidariedade e da Segurança Social. No entanto, a prática do agora ministro Pedro Mota Soares tem muito poucas parecenças com aquilo que o seu partido defendia no passado.

O brutal corte orçamental do Complemento Solidário para Idosos (corte esse com o qual Portas se sentiu perfeitamente confortável, não sentindo a necessidade de vir falar em quaisquer "fronteiras" intransponíveis, exceto excecionalmente), a que se somam as mais recentes taxas e cortes sobre todos os pensionistas (com o lamentável espetáculo associado à sua aprovação em conselho de ministros) e uma deterioração generalizada dos mecanismos e serviços de apoio à terceira idade, vêm destruir liminarmente qualquer aspiração do CDS-PP a tornar-se o grande defensor dos idosos em Portugal.

 

O CDS-PP não é o partido do contribuinte.
O CDS-PP chegou ao Governo e, tendo sob sua tutela a Secretaria de Estado dos Assuntos Fiscais, não se incomodou minimamente em lançar novas e mais agressivas taxas de retenção na fonte de IRS, em reformular os escalões de IRS (reduzindo a progressividade deste imposto), em diminuir as deduções fiscais, entre outras bonitas alterações que nos trouxeram à maior carga fiscal de que há memória em Portugal.
A verdade é que, se há coisa que este CDS-PP não é, e julgo que aqui não há mesmo quaisquer dúvidas, é defensor do contribuinte.

 

***

 

Chegados aqui, ao fim de quase dois anos de co-governação do CDS-PP, Paulo Portas e o seu partido revelam a sua verdadeira natureza, para espanto dos poucos que ainda tinham qualquer tipo de crença ou fé na alegada e tão propalada bondade das suas políticas.

Recorrendo a um slogan de campanha deste partido, este é o momento para se assumirem, de uma vez por todas. Para dizerem ao que vêm, de forma clara e sem mensagens dúbias.

Basear a sua intervenção política, quase por inteiro, no malabarismo argumentativo, na falta de memória alheia, na ausência de espírito crítico de alguns eleitores, não é apenas um insulto à inteligência coletiva: é, também e acima de tudo, um insulto à nobre arte que deve ser (e que tem que ser) a política.

 

(Imagem: agência Lusa)

 

3 comentários

Comentar post

«As circunstâncias são o dilema sempre novo, ante o qual temos de nos decidir. Mas quem decide é o nosso carácter.»
- Ortega y Gasset

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

No twitter

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D