Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

365 forte

Sem antídoto conhecido.

Sem antídoto conhecido.

03
Mai13

Desdém em Belém

David Crisóstomo

Vasco Graça Moura é um tipo engraçado. Com um ódio épico a Sócrates e ao Partido Socialista, este 'velho do Restelo-é-já-ali-em-cima', patrono das letrinhas afónicas, sempre foi um fiel defensor de sua nulidade, o Presidente da República, D. Aníbal da Silva. No dia do trabalhador, Vasco fez um apelo à populaça para que ignore o facto de o alegado 'garante do regular funcionamento das instituições democráticas' ter defendido em pleno dia da Liberdade que as regras democráticas que regem o nosso sistema politico podem ser ignoradas, que temos que interiorizar que o programa não-sufragado deste governo tem que ser & tem que ser com força. Que não há alternativa. Eleições? Não mudam nada. E o Vasco diz que as reações de vergonha, de repulsa face a este discurso não passam de 'alarido', barulheira, chinfrim. Que "é típico da esquerda não aceitar as regras do jogo", menosprezando que foi o próprio Presidente quem afirmou que as mesmas poderiam ser desprezadas. E, por fim, que ficou muito surpreso com a reacção do PS, afirmando que esperaria do principal partido da oposição uma posição com mais 'respeito' pela figura presidencial, que tivesse aplaudido, comprado flores, pedido autógrafos e gritado 'Viva Cavaco, abaixo as eleições!'. Mas, no meio deste desvario mental, há um pormenor engraçado: Vasco Graça Moura descobriu o valor da estabilidade. Ora vejam:

 

"Tudo bem espremido, o que parece é que, ao contrário do Presidente, há no Partido Socialista quem preferisse juntar uma grave crise política à grave crise económica e social que atravessamos, só para provocar a realização de eleições legislativas."

 

Ou seja, quem quer derrubar governos só quer ir ao pote, criar uma crise política (sim, porque agora está tudo muito calmo) e lixar-nos a vida. É isso, não é? E em 2011?

 

"A estabilidade não pode configurar um mero chavão para os lorpas (...). Tem de servir de moldura a uma política útil, firme, rigorosa e exequível, com o objectivo de tirar Portugal da crise. De outro modo e dentro do buraco em que nos encontramos, a estabilidade pela estabilidade não serve para nada, a não ser para aumentar esse buraco e para ele se tornar ainda mais pantanoso."

 

A claridade do juízo é óbvia. Não é nenhuma novidade que o autor de 'A porcaria' é uma criatura facciosa, com um pensamento politico mesquinho, odioso e presunçoso, que sob a capa de 'intelectual' ataca vilmente quem dele discorda, tudo fazendo para justificar uma argumentação desonesta e insultuosa. Adicionar o adjectivo 'hipócrita' a este belo curriculum vitae é algo que também não surpreenderá ninguém, sendo este desnobre vulto um excelente exemplo do 'rigor moral' da direita execrável que ainda apoia a maior fraude governamental da história da democracia portuguesa.

 

Todavia, sobre a intervenção de Cavaco Silva, Vasco Graça Moura tirou uma mui certeira conclusão: "Com toda a clareza, o Presidente explica o que pensa e mostra como exerce os seus poderes." 

Ámen.

 

2 comentários

Comentar post

«As circunstâncias são o dilema sempre novo, ante o qual temos de nos decidir. Mas quem decide é o nosso carácter.»
- Ortega y Gasset

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

No twitter

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D