Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]



21
Abr

Berta à Defesa Nacional

por David Crisóstomo

 

Berta Cabral, ex-presidente da câmara de Ponta Delgada, ex-líder do PSD/Açores e ex-'próxima presidente do Governo Regional dos Açores' é partir de amanhã a nova Secretária de Estado da Defesa Nacional. Recordemos as suas sábias intervenções públicas:

 

 

E houve mais raciocínio desenvolvido por Berta nesta entrevista dada à RTP-Açores em Setembro de 2012. Potenciais motivos de briga com o senhor primeiro-ministro e com o senhor ministro das Finanças, onde Berta aborda temas como as taxas de desemprego astronómicas, os círculos virtuosos de crescimento (por contraposição às espirais recessivas), as experiências (e inexperiências) económicas, os governantes com fortes princípios morais (e notamos que nisto ela é uma especialista), a situação dos funcionários públicos e até os efeitos de pequenas remodelações governamentais: 

 

'O principal problema que afecta as famílias açorianas: o desemprego. Temos que criar emprego'


 'Porque só criando riqueza é que nós podemos distribuir essa riqueza pelos que mais precisam. É um caminho paralelo que nós temos que percorrer, um caminho onde as empresas e os empregos têm que surgir para criar mais riqueza, mais poder de compra, mais produção, mais empresas, entrar num circulo virtuoso de crescimento, para depois poder distribuir através das funções sociais do estado, através da funções sociais daqui do estado-região, para apoiar quem mais precisa. É esse o modelo de desenvolvimento que nós propomos, em que as funções económicas e as funções sociais vão em paralelo, onde o bem-estar e o equilíbrio e a justiça social se estabeleça para todos.'

 

'As minhas prioridades são criar emprego e apoiar quem mais precisa. (...) Até porque nós não estamos em altura de experimentalismos. Nós não estamos em altura de gente inexperiente e deixarem as coisas correrem a ver se elas se resolvem.'

 

'O exemplo tem que vir de cima, é preciso moralizar a politica. E nós só moralizamos a politica e os políticos quando damos o exemplo. E aí há muito a fazer.'

 

'Toda a racionalização que se faça não passa por despedir pessoas. Já basta o desemprego que temos. Temos que segurar todos os postos de trabalho hoje existentes. E a nossa administração pública é uma administração pública muito competente. E aqui eu refiro-me à administração pública alargada, do sector público directo e do sector público empresarial. São gente muito competente, gente que tem mérito, que sabe trabalhar, que quer trabalhar, que tem que ser motivada, que tem que ser formada.'

 

'E não é por mudar uma pessoa que muda as restantes. Muda uma pessoa fica tudo na mesma.'

 

 

Mas Berta produziu outras interessantes reflexões sobre os tempos em que vivemos:

 

18/04/2012 - "Nós temos que investir. Nós temos que fazer alguma coisa. Se nós baixarmos o braços então é que não saímos daqui." 

 

06/09/2012 - "Não podemos sacrificá-los [os funcionários públicos], nem admitir que os sacrifiquem em nome de erros financeiros de quem nos governa. (...) A resposta para a situação financeira dos Açores não está na austeridade." 

 

04/10/2012 - "Eu sou completamente diferente do Dr. Passos Coelho. Eu sou uma pessoa com uma personalidade diferente e com um passado completamente diferente, com uma sensibilidade social e uma preocupação com os mais desfavorecidos completamente diferente."

 

11/10/2012 - "Os açorianos são inteligentes. Sabem que eu não sou Passos Coelho e sabem que os Açores não são o resto de Portugal continental. (...) Chega de austeridade. Chega de mais impostos. Que aqui nós não desejamos despedimentos, nem queremos, nem vamos ter mais despedimentos, muito menos na função pública."

 

Sô Dona Berta, seja muito bem-vinda ao XIX Governo Constitucional da República Portuguesa. Estamos certos que a sua consistência moral e coerência politica serão muito bem aproveitadas neste governo de inovação e substituição permanente. Mal podemos esperar por ouvi-la sobre os seus planos e ideias para assistir os seus colegas na maior delapidação do estado social e da qualidade de vida da sociedade portuguesa alguma vez praticada na história da nossa democracia. Mas acima tudo não se esqueça: "Lisboa é Lisboa. Açores é Açores. Passos Coelho é Passos Coelho. Berta Cabral é uma coisa completamente diferente.Nós também não nos esqueceremos. 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)


3 comentários

De testedeliberdade a 21.04.2013 às 18:00

teste de liberdade aos comentarios

De David Crisóstomo a 21.04.2013 às 18:02

acho que passou nesse teste.

De angelo a 21.04.2013 às 18:09

O povo é estúpido como o C#%&@ e tem o que merece.
Levaram anos e anos para que perdessem o medo de se libertarem e nada aconteceu; nem por parte do povo nem da policia, foi necessário a intervenção das forças armadas para libertar o povo das amarras de uma ditadura apoiada de apenas algumas instituições, entre elas a policia, e agora que o povo tem liberdade não faz nada para se libertar desta merda de sistema; é certo que o povo tem obstáculos para ultrapassar mas acabam por escolher a mesma merda de sempre para os governar.
Democracia directa já: ACORDEM, ótarios.

Comentar post




Sitemeter



Comentários recentes

  • Zzzzz

    Qualquer comparação, equiparação, ao nazismo, abso...

  • Sérgio Lavos

    Concordo, devemos respeitar quem é diferente de nó...

  • Bruno

    Muito sinceramente, isto é tudo muito lindo, mas h...

  • alvaro silva

    Só vejo dores de cotovelo e premonições de catástr...

  • J P C

    Se é isso o que o meu comentário lhe faz lembrar, ...







«As circunstâncias são o dilema sempre novo, ante o qual temos de nos decidir. Mas quem decide é o nosso carácter.» Ortega y Gasset