Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

365 forte

Sem antídoto conhecido.

Sem antídoto conhecido.

09
Abr13

Os candidatos do abstencionismo

Pedro Figueiredo

A credibilidade da política e dos políticos sempre dependeu da percepção que a população tem das pessoas que, de acordo com o calendário, elegem para os mais altos cargos públicos e dos respectivos desempenhos das funções.

As taxas de abstenção não muito pouco variáveis e com tendência para aumentar à medida que novas gerações chegam à idade de, eles próprios, contribuírem para essa escolha, só pode estar relacionada com a credibilidade da política e dos políticos bem como com o desinteresse manifestado pelos mais novos.
Os discursos falaciosos (que muitos consideram ser puras mentiras) que os candidatos vão debitando em períodos de campanha eleitoral só são validados depois da eleição e de (não) ter sido mostrado o trabalho mais meritório para o qual foram eleitos. Basicamente, representar o país nas decisões mais estruturais e nas escolhas feitas que definem o posicionamento de uma nação no Mundo.
Atingiu-se o ground zero das promessas (não) cumpridas por parte de quem foi eleito com a certeza que havia uma solução. Que não passava pela barbaridade que depois acabou por se verificar e que colocam Portugal à beira de uma situação explosiva. Afinal, os portugueses aguentam. Resta saber até quando.
É até lamentável ter que escrever que o ideal era que mentissem. Para serem eleitos. A realidade às vezes custa, mas se houver consciência e conhecimento do cenário completo, provavelmente custará menos pois permite uma preparação para as exigências que é preciso suportar.
Vivemos, então, tempos em que os últimos candidatos eleitos são claramente do abstencionismo. Que contribuem, em larga escala, com que cresça a descrença das pessoas naqueles que devem reger os destino do país. São até os principais responsáveis pelo generalizado desprezo aos partidos, encarando-os como fonte de todo o mal, quando são precisamente os partidos (à falta de movimentos cívicos mais intervencionistas) o ponto de passagem entre as exigências das pessoas e as políticas adequadas e justas.
Este corte de confiança leva a uma espiral. Também recessiva. Mas de democracia. Ao ponto de fazer com que as pessoas assumam publicamente que não acreditam que o seu voto faça a diferença. Um país assim é que não tem futuro nenhum.
«As circunstâncias são o dilema sempre novo, ante o qual temos de nos decidir. Mas quem decide é o nosso carácter.»
- Ortega y Gasset

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

No twitter

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D