Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]



29
Mar

A Palavra de José Sócrates

por Ricardo Sérgio

Quando escolhe as primeiras frases e justifica o seu regresso, José Sócrates, destemido, sublinha a importância do tempo:

É tempo de tomar de palavra”.

A citação, que poderá revisitar Eclesiastes e que se transporta para além da formulação, assume evidente sinal de aviso para “essa gente”.

É um regresso que assusta e faz tremer lá fora. E só lá fora.

Há, agora, outra rocha, que quer e que vai impedir a propagação do tal buraco que se escava. Há, agora, outra rocha, que quer e que vai impedir o alargamento do fosso.

Mas, revisitando de novo Eclesiastes, José Sócrates faz-nos regressar a III a.C. e à família dos Tobíadas, que controlava então a política interna e externa, a economia e o comércio.

José Sócrates, entre metáforas, desmonta - ancorando-se no exemplo da Palestina, então colónia da dinastia dos Ptolomeus - a estrutura social injusta, mas que se dizia justa. A estrutura social que se dizia vítima de crimes passados, mas que mais não era do que vítima dos crimes presentes e que serão julgados no futuro. No curto futuro.

Mas, mais, José Sócrates lembra novamente Eclesiastes e convida a destruir – a tal mão que se esconde no arbusto.

E, depois, convida a uma construção.

E quando convida à construção, quando desmonta a narrativa, quando se revê em Eclesiastes e quando ensina porque trilhou aqueles caminhos e explica agora os outros, José Sócrates aponta para o futuro:

Que proveito tira o homem de todo o trabalho com que se afadiga debaixo do sol?”.

Autoria e outros dados (tags, etc)




Sitemeter



Comentários recentes

  • Zzzzz

    Qualquer comparação, equiparação, ao nazismo, abso...

  • Sérgio Lavos

    Concordo, devemos respeitar quem é diferente de nó...

  • Bruno

    Muito sinceramente, isto é tudo muito lindo, mas h...

  • alvaro silva

    Só vejo dores de cotovelo e premonições de catástr...

  • J P C

    Se é isso o que o meu comentário lhe faz lembrar, ...







«As circunstâncias são o dilema sempre novo, ante o qual temos de nos decidir. Mas quem decide é o nosso carácter.» Ortega y Gasset