Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

365 forte

Sem antídoto conhecido.

Sem antídoto conhecido.

25
Mar13

(Não) Jogar no terreno da direita. Afirmar uma alternativa.

Cláudio Carvalho

A grande vitória da direita lusa ocorreu quando, perante os cidadãos do país europeu mais desigual da OCDE, conseguiu evangelizar a classe média e a classe baixa com a ladainha de que "vivemos acima das possibilidades".

Venceu quando começou a extrapolar demagogicamente casos particulares para ficcionar um determinado contexto sociocultural, como são exemplos os recursos abusivos e hostis aos ditos, pela direita nacional, “malandros do rendimento mínimo”. Quando convenceu alguns de que a responsabilização é "dicotómica de" ou "suprema a" um patamar mínimo de proteção social e que a punição é prioritária à reabilitação. Quando convenceu outros de que a caridade substitui eficientemente a segurança social. Saiu gloriosa quando enraizou, sem qualquer pudor, a tese hipótese de que a classe baixa tem um padrão de consumo mais propenso à importação do que a classe alta; que comer bife é hábito de rico. Triunfa quando vinca, no seu timbre clerical, que é nobre ter-se respeitinho pela ordem social, ser-se obediente ao Estado e, sobretudo, ser-se indefetivelmente leal ao sistema tributário para continuar a alimentar os sucessivos erros de planeamento estratégico e financeiro dos executivos. Levou de vencida, quando instituiu como natural a desigualdade e a falta de igualdade de oportunidades e de mobilidade social mas, também, quando fez esquecer que não há liberdade sem liberdade económica.

É neste novo “terreno” que as esquerdas recetivas à economia de mercado – não só na vertente partidária, como em movimentos culturais, sindicatos, correntes de opinião, etc. - têm de “jogar”, transfigurando-o, se quiserem vencer politicamente. Não querendo elaborar apologias deterministas, as esquerdas devem rejeitar o argumentário supra exposto de cariz hobbesiano e que procura bipolarizar a sociedade (i.e. gerações e classes). Devem afirmar-se como alternativa, aprender com os erros do passado e não entrar no discurso tático de apontar nuances de posicionamento que pouco impacto têm, no panorama macroeconómico e social, a longo prazo. Talvez resida aqui a atual grande descrença da esquerda sociológica na esquerda política – incluindo, o parco distanciamento entre a esquerda e a direita nas sondagens - e é, neste vetor, que alguns responsáveis da esquerda política deveriam fazer ajustes de discurso e de opções políticas. Primeiro, é preciso afirmar e personificar uma estratégia social e cultural diferente, para depois vencer politicamente. 

«As circunstâncias são o dilema sempre novo, ante o qual temos de nos decidir. Mas quem decide é o nosso carácter.»
- Ortega y Gasset

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

No twitter

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D