Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

365 forte

Sem antídoto conhecido.

Sem antídoto conhecido.

24
Mar13

A minha verdade é mais verdade do que a tua – eu sei, porque eu sou comuna

mariana pessoa

O PCP, numa tentativa histriónica de reescrever a história, sentiu a necessidade de elaborar um documento denominado "PEC IV Toda a Verdade". É adorável esta mania que o PCP tem de eleger o PS como inimigo. Eu sei que é nisto que jogam a sua sobrevivência, afinal de contas na arena da esquerda a competitividade é grande.

 

É especialmente hilariante, em particular, porque foi o PCP que votou ao lado dos partidos da direita (PSD e CDS), sabendo que culminaria na demissão do Governo de José Sócrates. Se hoje temos PSD e CDS no poder, é justamente porque o PCP, junto com os Verdes e o Bloco, o desejaram. E é tão curioso ser o PCP a querer impor uma narrativa tão conveniente ao governo de coligação.

 

E assim voltamos à casa de partida: o PCP na cama com o PSD e o CDS. Dizem os comunistas que assim é por que são eles a esquerda patriótica, a verdadeira esquerda, nesse raciocínio tão dicotómico como primário. Mas que seria de esperar de um partido que votou favoravelmente a inversão do ónus da prova para políticos (diz que lhe chamaram criminalização do enriquecimento ilícito), chumbado pelo Tribunal Constitucional, com base na amada Constituição da República Portuguesa)?

 

Diz portanto o PCP que o PS não é de esquerda porque, durante dois anos, houve um PSD a viabilizar os Orçamentos de Estado do governo PS e os PEC I, II e III. Esta teoria da companhia nos votos é muito curiosa, porque há vários exemplos em que o Partido Comunista se deitou, vamos assim dizer, nos lençóis da direita:

 

• Referendo sobre despenalização do aborto – O PCP votou contra, apesar do resultado de 1998;

• Paridade – O PCP votou ao lado da direita contra uma lei que assegura uma representação mínima de cada um dos sexos;

• Nomeações dos altos cargos dirigentes – O PCP votou ao lado da direita contra uma lei que limita o número de cargos de confiança política e que reintroduziu a obrigatoriedade de concursos nas nomeações de dirigentes intermédios;

 

Por outro lado, voltando à questão de ‘a minha verdade é mais verdadeira do que a tua’ e ainda a propósito do chumbo do PEC IV, talvez seja de recordar um cavalheiro que já foi Secretário-Geral do PCP, Carlos Carvalhas, numa entrevista à Antena 1:


“A história tinha sido outra se nós tivessemos pedido a renegociação. Porque no sócrates, no fundo, já depois de ter aceite o PEC IV, porque ele estava no fundo a tomar a atitude que tomou a espanha, que tem resgate sem ter pedido resgate, que aquele lapso de tempo mostrou, que da parte da união europeia eles estavam sem recuo, porque tinham de ceder, não podiam deixar o país ir à falência.”

 

Ah, já sei. Carlos Carvalhas não passa na máquina de etiquetagem de esquerda que há na Soeiro Pereira Gomes, é isso? Este direitolas do Carvalhas, pá.

 

Mas talvez seja por estas e por outras que podemos sintetizar num gráfico, no período pós 25 de Novembro [onde – espera, já sabemos de cor – o socialismo foi metido numa gaveta], os votos dos portugueses nesta mundividência da auto-proclamada esquerda patriótica, nesta linha descendente:

 

 Fonte: wikipedia, resultados das eleições legislativas de 1976 a 2011.

 

 

4 comentários

Comentar post

«As circunstâncias são o dilema sempre novo, ante o qual temos de nos decidir. Mas quem decide é o nosso carácter.»
- Ortega y Gasset

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

No twitter

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D