Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]



18
Mar

Nauseabundos

por David Crisóstomo

 

Santa Paciência. Mas é que já começam a meter nojo. Miguel Frasquilho, após aquela aterradora conferência de imprensa/declaração de vontades de Vitor Gaspar, foi instruído para tirar uma nova ideia daquela cartola desgastada e mal cheirosa donde vêem todos os brilhantes pensamentos do PSD: "o programa [o memorando] original tinha sido mal desenhado, mal concebido e com projecções e efeitos que não tinham aderência nenhuma à realidade". E dizem isto depois de já terem revisto e alterado o raio do documento 6 vezes. 


E mandam o Miguel Frasquilho para revelar ao povo a nova e reluzente razão que justifica o grande trambolhão orçamental, económico, social, politico e moral. Miguel Frasquilho foi uma escolha muito acertada, claro. Numa rápida pesquisa por intervenções suas no parlamento deparamos-nos com o seguinte historial, claramente demonstrador da rectidão e seriedade do doutor:

 

11.03.2010 - Queixa-se da perda do nível de vida, da quebra da produtividade, do desemprego, do endividamento público, para depois concluir que "o caminho do PSD não seria este". Sublinha que "fosse o PSD responsável pela governação do pais e o Orçamento de Estado teria espaço para medidas de estimulo às PME".

 

25.03.2010 - Denuncia "o ataque fiscal violento contra todos os portugueses". Questiona se o governo achava que 900€ já são rendimentos elevados. Grita que estávamos perante uma "injustiça fiscal".


06.05.2010 - Opina que o momento escolhido para as privatizações era "surpreendente". Especula se governo não estaria a "privatizar as empresas apenas por razões financeiras".


24.11.2010 - Vocifera sobre o "injusto agravamento fiscal", pois era "injusto sobre as famílias portuguesas na proposta do Orçamento de Estado" e declara que o PSD tinha conseguido evitado um "agravamento fortíssimo" do IRS para as famílias.

 

13.01.2011 - Regista em nome do PSD o cumprimento do défice em 2010 devido ao "aumento de impostos" e às "receitas extraordinárias". Vivamos "tempos muito perigosos" onde não poderíamos "andar a brincar com o fogo" e acusa o primeiro-ministro da altura "de não ter tido a melhor postura que melhor serviria os interesses nacionais"


 

Mas ignorando o íntegro mensageiro, concentremos-nos na mensagem. 

Será que não haverá vergonha nestas caras? Mas acham que somos todos atrasados mentais? Mas não há limites para a mentira, o descaramento, a insolência e a estupidez? Mas acham que nos esquecemos de que não haveria memorando sem "o acordo do PSD"? De que estiveram a negociar a "verdadeira austeridade para o Estado, mas não mais para os cidadãos"? De que a negociação foi "essencialmente influenciada" pelo PSD? De que tinham lá posto umas "medidas melhores" e que iam "mais fundo" do que o PEC IV? De que a alegada revisão da trajectória do défice foi uma "grande vitória" dos sociais-democratas? De que o PSD tinha um "grau de identificação importante" com o memorando? De que suas excelências acreditavam que "no essencial, o que ele prescreve é necessário fazer em Portugal para vencermos a crise"?

Mas acham que somos todos otários?

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)




Sitemeter



Comentários recentes

  • Zzzzz

    Qualquer comparação, equiparação, ao nazismo, abso...

  • Sérgio Lavos

    Concordo, devemos respeitar quem é diferente de nó...

  • Bruno

    Muito sinceramente, isto é tudo muito lindo, mas h...

  • alvaro silva

    Só vejo dores de cotovelo e premonições de catástr...

  • J P C

    Se é isso o que o meu comentário lhe faz lembrar, ...







«As circunstâncias são o dilema sempre novo, ante o qual temos de nos decidir. Mas quem decide é o nosso carácter.» Ortega y Gasset