Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

365 forte

Sem antídoto conhecido.

Sem antídoto conhecido.

26
Fev13

Era uma vez um cozido à portuguesa

Pedro Figueiredo



Era uma vez um cozido à portuguesa. Com boas carnes. Barrosãs, alentejanas ou arouquesas. Nada de cavalo. Com enchidos típicos que tornavam o prato ainda mais apreciado. Tinha qualidade e representava, como grande parte da gastronomia, a própria cultura do país.


O último cozinheiro foi despedido, acusado de desperdício e de deixar a cozinha num caos. As críticas foram tantas, não só ao cozido em si, mas à forma como era preparado, que veio um novo cozinheiro. Com promessas de um fair-play financeiro aplicado à cozinha e que faria do cozido um prato preparado para as exigências dos novos tempos.


Começaram pelo corte de condimentos. Carne de vaca é um luxo e podia perfeitamente ser um dos elementos a dispensar. Afinal, o cozido tem tanta carne, que provavelmente ninguém lhe vai sentir a falta. A orelheira foi vista como um pormenor, que nem era do agrado de todos. Também era facilmente dispensável. Os enchidos são os grandes responsáveis pelo mau colesterol e é preciso zelar pela saúde dos consumidores. O toucinho e as gorduras, então, é quase malévolo entrar na dieta nacional. Ainda houve quem dissesse que eram precisamente esses dois elementos que davam sabor ao prato. Mas a ordem era para cortar.


O cozido, que de cozido já só tinha o nome, continuou a ser reinventado. Reestruturado. Sobravam o frango, a água, o sal, o arroz e as couves. Estas últimas, cozinhadas à parte para não misturar o sabor, passaram a ser servidas como um complemento. Pago à parte. Era preciso rentabilizar o que tinha sobrado.


O que não estava nas contas do novo cozinheiro é que em vez do cozido à portuguesa a que se havia proposto servir, o que saiu para a mesa foi uma canja. Isto com os clientes dos restaurante todos a gritar: «Cozido! Cozido! Cozido! Cozido!»


O novo cozinheiro, reunido com a sua equipa, desabafa que não percebe onde esteve o erro. A receita é basicamente a mesma. Ok, saiu uma canja, mas o que é uma canja se não filosoficamente a base do cozido? Calma! Não vale a pena desesperar. Ainda há margem de manobra. Retire-se o frango. Fica só um caldo de arroz, mas continua a ser uma base, mais simples, do cozido.


Os inspectores gastronómicos, nas tintas se o prato final é cozido ou caldo de arroz, vieram verificar o processo culinário. Pegaram na conta do gás e alertaram que os custos continuam elevados. O cozinheiro, envergonhado, admite que para poupar no gás é preciso mais tempo para deixar cozer o que quer que seja.


O que agora os clientes do restaurante duvidam, e bem, é que mesmo tendo mais tempo, a canja milagrosamente se transforme em cozido. E ainda ficam admirados por se pedir factura em nome do cozinheiro.

«As circunstâncias são o dilema sempre novo, ante o qual temos de nos decidir. Mas quem decide é o nosso carácter.»
- Ortega y Gasset

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

No twitter

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D