Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

365 forte

Sem antídoto conhecido.

Sem antídoto conhecido.

21
Fev13

Demasiadas Aurelias

Catarina Pereira

Aurelia Rey tem 85 anos e mora num apartamento na Corunha desde 1979. Paga 126 euros de renda, mas no último mês não conseguiu cumprir com o senhorio. As autoridades judiciais foram rápidas: ordem de despejo e aparato policial para retirar de casa a idosa.

 

No entanto, não contavam com o apoio que Aurelia teve do povo. Centenas de pessoas colocaram-se à porta de casa da senhora e não deixaram os funcionários judiciais entrar. As imagens, como diria o líder parlamentar do PSD, são até um pouco anti-democráticas. Os senhores até só estavam ali para fazer o seu trabalho: despejar pessoas que não pagam o que devem.

 

A questão não deve, nem pode, ser os meios que estas pessoas utilizaram (e até agora com sucesso) para impedir o despejo. O que nos devia preocupar, e não só a nuestros hermanos, é o fim: os tribunais e a polícia não têm qualquer pudor em despejar de casa uma idosa porque esta não conseguiu juntar uns trocos.

 

Sim, 126 euros de renda é um benefício. Por um apartamento no centro da Corunha, valha-me deus, que sorte que a Aurelia tem. Não vi imagens do interior, embora faça all-in que a casa da Aurelia não poderá ser equiparada à prisão domiciliária de Duarte Lima, mas compreendo que para o senhorio aquela idosa possa ser um empecilho para um grande negócio de aluguer.

 

Até agora, foram oferecidas duas opções à senhora: um lar de idosos ou um apartamento municipal num bairro na periferia da cidade. Dirão alguns que é uma escolha. Gostava que essas pessoas tivessem de a fazer. 

 

A dona Aurelia tem 85 anos e desde 1979 só falhou uma renda. A dona Aurelia, como tantos espanhóis e tantos portugueses, viu a sua pensão cortada, paga mais pelas compras no supermercado e deve ter de fazer o pino para conseguir pagar todos os meses a água e a luz. Não sei, estou a imaginar, mas quantos de nós não conhecem uma Aurelia Rey?

 

No meio disto tudo, salvaram-se os bombeiros. Conta alguma imprensa espanhola que os primeiros a serem chamados ao apartamento de Aurelia (que estava com uma espécie de cadeado colocado pelos manifestantes) se recusaram a ajudar a polícia. Um deles até terá passado para o lado dos activistas. Porra, que homem! Claro que, logo a seguir, veio um superior hierárquico estragar este momento de decência e arrombar a casa. Mas os bombeiros foram, esses sim, superiores a isso.

 

 

Os despejos em Espanha envorgonham a Europa. Que raio de comunidade é esta que expulsa uma idosa de casa sem vergonha, sem culpa, sem responsabilidade? Ah, claro, porque 126 euros são 126 euros e temos de pagar e vivemos acima das nossas possibilidades e não sei quê. Mas milhões deixam de ser milhões quando, em vez de Aurelia, falamos de banqueiros. Não é?

 

 

P.S. Sobre os desahucios em Espanha, recomendo esta reportagem.

«As circunstâncias são o dilema sempre novo, ante o qual temos de nos decidir. Mas quem decide é o nosso carácter.»
- Ortega y Gasset

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

No twitter

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D