Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]



Einstein, Why Socialism (1949)

 

"For these reasons, we should be on our guard not to overestimate science and scientific methods when it is a question of human problems; and we should not assume that experts are the only ones who have a right to express themselves on questions affecting the organization of society."

 

Eu não sei se reduzir carga fiscal equivale linearmente a investimento económico. Lembro-me sempre do tempo das vacas gordas em que fundos estruturais vinham para Portugal para qualificação da mão de obra. Era gasto em Mercedes pelos donos de empresas. Tenho ciência para dizer isto? Não tenho. Mas se aqueles que dizem que injectar dinheiro na economia através de investimento público negam o seu efeito sinérgico por não ser linear, como podem afirmar, em consciência, o contrário?

Autoria e outros dados (tags, etc)


1 comentário

De Henrique Figueiredo a 01.02.2013 às 17:13

Falacioso. Se a alocação e utilização deficiente dos fundos demonstra algo é quão perniciosos são os subsídios concedidos.

Deixe-se os empresários concorrerem nos mercados, sem este tipo de facilidades e veremos logo que entre investir na empresa para sobreviver ou comprar o mercedes, optarão pela primeira. Atribuir fundos cria fáceis distorções, pois para essas empresas é dinheiro garantido, uma espécie de rent-seeking.

Quanto a Einstein, nessa frase em particular, só posso concordar, ressalvando que o termo tecnocrata é de inspiração socialista (Saint-Simon). Alguma coisas quererá dizer...

Comentar post




Sitemeter



Comentários recentes

  • João Rosa

    Este post já tem algum tempo mas desde que se inic...

  • Zzzzz

    Qualquer comparação, equiparação, ao nazismo, abso...

  • Sérgio Lavos

    Concordo, devemos respeitar quem é diferente de nó...

  • Bruno

    Muito sinceramente, isto é tudo muito lindo, mas h...

  • alvaro silva

    Só vejo dores de cotovelo e premonições de catástr...







«As circunstâncias são o dilema sempre novo, ante o qual temos de nos decidir. Mas quem decide é o nosso carácter.» Ortega y Gasset