Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]



16
Dez

Vizinhança

por Nuno Pires

António Horta Pinto, Um Governo poluente:

Isto é: no entender do governo, o ambiente de que vamos usufruindo também está “acima das nossas possibilidades”; não podemos dar-nos ao “luxo” de o proteger. Há que deixar poluir!

 

Domingos Farinho, Eleitos para destruir:

O melhor exemplo do gigantesco engodo em que permanentemente vivemos com este Governo é a recente narrativa da refundação do Estado e o inacreditável período de tempo em que se fará tal coisa: 3 meses.

 

João Rodrigues, Depressão:

É então preciso repetir pela enésima vez que quando todos tentam poupar todos podem acabar a poupar menos, em especial quando o Estado se comporta como se fosse uma família em crise

 

Pedro Lains, Festa Brava:

Há uma "guerra das pensões" no ar. Não se percebe muito bem o que é, mas é.

 

Val, Natal à espanhola:

Este é o ano ideal para assumirmos a tradição espanhola e adiar a entrega das prendas de Natal para o Dia de Reis, a 6 de Janeiro.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)


3 comentários

De é o ideal era pedir emprestado a 17.12.2012 às 22:20

ou acabar com o exército e a justiça

De não aceitam fiados? a 17.12.2012 às 22:30

eu cá tenho uma ideia assignats a 20% do custo e que pagam em notas de 50 contos em 2020

ou isso ou cobrar 120 euros de imposto de investimento para a tap e dar direito a 1000 ações
ou 120000000...

De o faroleiro a 19.12.2012 às 19:57

vê e divulga amigo

http://youtu.be/lI9nw_hdklA

Comentar post




Sitemeter



Comentários recentes

  • João Rosa

    Este post já tem algum tempo mas desde que se inic...

  • Zzzzz

    Qualquer comparação, equiparação, ao nazismo, abso...

  • Sérgio Lavos

    Concordo, devemos respeitar quem é diferente de nó...

  • Bruno

    Muito sinceramente, isto é tudo muito lindo, mas h...

  • alvaro silva

    Só vejo dores de cotovelo e premonições de catástr...







«As circunstâncias são o dilema sempre novo, ante o qual temos de nos decidir. Mas quem decide é o nosso carácter.» Ortega y Gasset