Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

365 forte

Sem antídoto conhecido.

Sem antídoto conhecido.

04
Dez12

O risco de pobreza em Portugal

Nuno Pires

O Eurostat publicou ontem alguns indicadores sobre o risco de pobreza e exclusão social na União Europeia, resultantes do instrumento European Union Statistics on Income and Living Conditions (“EU-SILC”), revelando que 24% da população da UE27 (cerca de 120 milhões de pessoas) se encontrava em situação de risco, de acordo com dados referentes a 2011.

 

Estas notícias são péssimas, mas, atendendo especificamente aos valores nacionais, é possível retirar conclusões adicionais dos dados divulgados pelo Eurostat, nomeadamente através da análise da evolução destes indicadores em Portugal nos anos de 2008, 2010 e 2011, e da sua comparação com a média da UE27.

  

E o resultado dessa análise é esclarecedor: no indicador mais relevante, que agrega as situações de pessoas que estavam confrontadas com, pelo menos, uma das três formas de exclusão consideradas (em risco de pobreza, expostas a graves privações materiais ou vivendo em agregados familiares com intensidade laboral muito reduzida), Portugal registou, no período analisado, uma considerável descida no risco de pobreza, contrariando a tendência de subida registada na média da União Europeia, conforme demonstra o gráfico infra. 

 

Fonte: Eurostat.

 

Esta descida não ocorreu por mero acaso – é a confirmação (mais uma) de um trabalho bem feito. Iniciativas como o Complemento Solidário para Idosos, que intervém junto dos nossos seniores com menores rendimentos, são um bom exemplo de decisões políticas que contribuem de forma eficaz e decisiva para a redução de um problema que a todos diz respeito.

 

No entanto, a realidade diz-nos que este trabalho e estes bons resultados estão em sério risco de se perderem. Se, para além do “enorme aumento de impostos”, considerarmos o corte orçamental de 11,2% no Complemento Solidário, a redução de 22,7% nos encargos com Rendimento Social de Inserção para 2013 ou as alterações ao subsídio de desemprego (que cada vez deixa mais desempregados sem subsídio), alguém tem dúvidas relativamente à assustadora trajetória que a linha verde do gráfico acima vai percorrer já a partir do próximo ano?

 

1 comentário

Comentar post

«As circunstâncias são o dilema sempre novo, ante o qual temos de nos decidir. Mas quem decide é o nosso carácter.»
- Ortega y Gasset

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

No twitter

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D