Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

365 forte

Sem antídoto conhecido.

Sem antídoto conhecido.

28
Jan16

OK Google: desigualdade

CRG

 

“to put an end to great aggregations of capital because of the helplessness of the individual before them.”

Juiz Learned Hand sobre o objectivo do Antitrust Act de 1890

 

A última edição da "Foreign Affairs" é dedicada ao tema da desigualdade: as suas causas, importância e o que pode ser feito. Com efeito, a desigualdade vai estar no centro da luta política que irá definir esta geração.

 

E pese embora alguns tentarem fugir ao assunto com o fundamento de que a desigualdade tem vindo a diminuir a nível mundial - efeitos do aumento do nível de vida na China e na Índia - é unanimemente aceite que esta tem vindo a aumentar dentro dos países: "the gap between average Americans and average Chinese is being partly replaced by larger gaps between rich and poor Americans and between rich and poor Chinese". Se dúvidas houvesse é bom relembrar que em 1965 a remuneração dos CEO das 350 maiores empresas americanas era 20 vezes mais alta do que a remuneração do trabalhador médio; em 1989 era 58 vezes mais alta; e em 2012 era 273 vezes mais alta (por ex: se o trabalhador médio recebe mil euros o CEO aufere 273 mil euros).

 

No entanto, se por um lado a sua existência é consensual, por outro lado, a resposta ao problema tem sido de uma certa passividade para a sua mitigação (desigualdade existirá sempre, e deve existir até um certo grau, a questão é saber qual o grau de desigualdade sustentável num sistema democrático). Um certo encolher de ambros alimentado pelo pensamento "não ha alternativa".

 

Não é preciso ser cínico para perceber de onde surge este sentimento de impotência, basta ver como são taxadas as grandes multinacionais em relação aos restantes contribuintes. Um exemplo disto é o recente acordo que o Governo Inglês fez com a Google, referente aos últimos 20 anos, segundo o qual esta irá pagar uma taxa de imposto a rondar os 3% em vez dos normais 20%. Privilégio claro de uma multinacional face às empresas mais pequenas, o que coloca em risco a própria base do sistema capitalista - a livre concorrência e a igualdade perante a lei - e, reforça a ideia nefasta de competição fiscal entre Estados. Ao mesmo tempo que se assiste a este tratamento preferencial das grandes empresas impera a obsessão dos Governos com défices orçamentais, que, por sua vez, fundamenta cortes no Estado Social, aumento de impostos sobre o consumo e de rendimento de trabalho porque, dizem, não há dinheiro. Resultado: agravamento da desigualdade. 

 

Tais diferenças de tratamento são politicamente indefensáveis, pelo que os governos se escudam na globalização, alegando que esta os impede de agir de outra forma; mas como escreveu Ben Okri:

 

They say there is only one way for politics.
That it looks with hard eyes at the hard world
And shapes it with a ruler’s edge,
Measuring what is possible against
Acclaim, support, and votes.


They say there is only one way to dream
For the people, to give them not what they need
But food for their fears.

(...)

Can we still seek the lost angels
Of our better natures?
Can we still wish and will
For poverty’s death and a newer way
To undo war, and find peace in the labyrinth
Of the Middle East, and prosperity
In Africa as the true way
To end the feared tide of immigration?

 

We dream of a new politics
That will renew the world
Under their weary suspicious gaze.
There’s always a new way,
A better way that’s not been tried before.

 

 

28
Jan16

O problema é o Centeno receber uma página com perguntas

David Crisóstomo

 

The macroeconomic scenario in the Draft Budgetary Plan for 2015 is more optimistic than the projections under the Commission 2014 autumn forecast.

The Commission 2014 autumn forecast foresees a general government deficit of 3.3% of GDP in 2015, markedly higher than in the Draft Budgetary Plan. The discrepancy is to a large extent due to different assumptions about revenue growth (mainly of indirect taxes and social contributions).

Some of the measures included in the Draft Budgetary Plan may underperform or are deemed to have significant implementation risks, since they have repeatedly failed to become operational or materialise in time in the past.

The headline deficit planned in the Draft Budgetary Plan for 2014 is at 4.8% of GDP, above the 4% of GDP deficit target recommended by the Council in June 2013. For 2015, the Draft Budgetary Plan foresees to correct the excessive deficit by 2015 as recommended by the Council. At the same time, the Draft Budgetary Plan targets a headline deficit of 2.7% of GDP, which is also above the 2.5% of GDP deficit recommended by the Council. In light of the 4.9% of GDP general government deficit projected for 2014 in the Commission 2014 autumn forecast, Portugal is seen to miss the 4.0% of GDP target recommended by the Council.

Overall, it appears that the fiscal effort in 2013-2014 has not been delivered.

The headline deficit planned in the Draft Budgetary Plan for 2014 and 2015 is, at 4.8% of GDP and 2.7% of GDP, above the 4% of GDP and 2.5% of GDP respective deficit targets recommended by the Council in June 2013. Based on the Commission forecast, the headline deficit is expected to reach 4.9% of GDP in 2014 and 3.3% of GDP in 2015, indicating substantial risks to a timely correction of the excessive deficit by 2015, as recommended by the Council.

The required careful analysis also indicates that the recommended fiscal effort (annual and cumulated over 2013-2015) is not projected to be met. Overall, the timely correction of the excessive deficit by 2015 is at risk, mostly due to the inadequate fiscal effort in 2014 and projected for 2015.

In addition, the information provided suggests that only modest progress has been made in most structural reform areas. 

 

European Commission Staff Working Document 

Analysis of the draft budgetary plan of Portugal

Brussels, 28.11.2014

 

 

The Plan's macroeconomic scenario for 2015 is more optimistic than the Commission 2014 autumn forecast.

Regarding 2015, the Commission projects a general government deficit of 3.3% of GDP, significantly higher than the target in the Draft Budgetary Plan. The discrepancy is to a large extent due to a more cautious assessment of the impact on the budget of macro-economic developments, the fight against fraud and of the yields from certain measures of the consolidation package.

In light of the 4.9% of GDP deficit projected for 2014 in the Commission autumn forecast, Portugal is seen to miss the headline target recommended by the Council.

Based on an overall assessment of the Draft Budgetary Plan, compliance by Portugal with the Excessive Deficit Procedure recommendation is at risk.

Overall, the Commission is of the opinion that the Draft Budgetary Plan of Portugal, which is currently under the corrective arm, is at risk of non-compliance with the provisions of the Stability and Growth Pact. In particular, there is a risk that the Draft Budgetary Plan for 2015 will not fulfil the Council recommendation of correcting the excessive deficit by 2015. This risk mainly arises from favourable assumptions of the impact on the budget of macroeconomic developments and from the lack of structural measures underpinning the Plan. The fiscal effort falls clearly short of the recommendation, even taking into account the impact of methodological and statistical revisions, and thus indicates the need for additional structural consolidation measures for 2015 to underpin a credible and sustainable correction of the excessive deficit. The Commission therefore invites the authorities to take the necessary measures within the national budgetary process to ensure that the 2015 budget will be compliant with the Stability and Growth Pact. The Commission is also of the opinion that Portugal has made limited progress with regard to the structural part of the recommendations issued by the Council in the context of the 2014 European Semester and thus invites the authorities to accelerate implementation. 

 

European Commission Opinion

on the Draft Budgetary Plan of Portugal

Brussels, 28.11.2014

 

 

In 2014, Portugal achieved a headline deficit of 4.5% of GDP, which was above the recommended target of 4% of GDP. The fiscal effort indicators also point to a shortfall in the structural effort, based on the change in both the unadjusted and adjusted structural balance in 2014 and in cumulative terms over 2013-2014, as well as on the permanent consolidation measures taken under the programme and thereafter.

The fiscal effort is below what is recommended by the Council based on the change in both the unadjusted and adjusted structural balance in 2015, as well as in cumulative terms over 2013-2015.

According to the Commission spring forecast there appears to be a risk of a significant deviation from the required adjustment towards the medium-term objective in 2016.

 

European Commission, Directorate-General Economic and Financial Affairs

Assessment of the 2015 Stability Programme for Portugal

Brussels, 27.05.2015

 

 

 

 

27
Jan16

O lento recuo da decência

Frederico Francisco

A aprovação pelo parlamento dinamarquês de uma lei que permite o confisco de quaisquer bens de elevado valor que estejam na posse de refugiados é apenas mais uma numa já longa e triste série de machadadas nos "valores europeus". As aspas são ainda mais justificadas quando a expressão é usada desde há várias décadas como uma espécie de auto-elogio que os líderes da Europa fazem a si próprios. Se apenas alguns deles se conseguissem olhar ao espelho neste momento...

De acordo com a nova lei, a polícia terá poder para revistar qualquer pessoa que entre no país em busca de asilo e confiscar quaisquer bens de valor superior a 10000 coroas dinamarquesas (cerca de 1300€), desde que não tenham valor sentimental. A decisão sobre o valor sentimental dos bens caberá à própria polícia. Mesmo sem traçar os paralelos históricos óbvios, a aprovação desta lei é uma afronta aos direitos humanos e aos tão proclamados "valores europeus" que, aparentemente, para alguns, deixaram de incluir a compaixão, a solidariedade e a decência.

Esta lei foi aprovada pelos partidos que apoiam o actual governo de centro-direita, incluindo o Dansk Folkeparti, partido nacionalista e anti-imigração, mas também pelos sociais-democratas. A medida agora tomada pelo estado dinamarquês não é original, tendo sido antecedida pelo confisco de bens a refugiados levado já a cabo pelas autoridades suiças.

Como europeu e como europeísta, cresce em mim um desconforto com esta Europa. Os tais "valores europeus" têm de ter um sentido concreto e de incluir o mais básico respeito pela dignidade de todas as pessoas, nacionais ou estrangeiras. Infelizmente, nos dias que correm, estes são demasiadas vezes usados como um chavão desprovido de significado ou, pior ainda, como um apelo à conformidade perante regras impostas de forma quasi-autoritária.

26
Jan16

O CDS e o preconceito

João Martins

O CDS-PP questionou esta segunda-feira o Ministério dos Negócios Estrangeiros sobre a posição do Governo e da embaixada em Paris acerca da condecoração do cantor Tony Carreira, assim como do teor de declarações do próprio ministro Augusto Santos Silva.

(...)

"Não considera V.Exa. que as declarações reproduzidas sobre este assunto podem ser entendidas como um juízo pessoal, depreciativo ou preconceituoso em relação à cultura popular portuguesa?", questionam 11 deputados do CDS-PP.

Uma coisa é ter um discurso preconceituoso e discriminatório contra milhares de crianças e as suas famílias. Aí a intolerância é completamente justificada. Mas preconceito contra o Tony Carreira? Contra os fãs do Tony Carreira?? Isso já é uma vergonha que tem de ser combatida com unhas, dentes e questões ao governo sobre o seu posicionamento relativamente ao artista em questão.

Haja pachorra. E vergonha, já agora.

26
Jan16

Das promessas eleitorais infundadas

Ana Leite

Ouvimos, inúmeras vezes, pela boca do anterior Governo, que os sacrifícios dos portugueses valeram a pena e que Portugal estaria agora em condições para recuperar da austeridade “inevitavelmente imposta”. Até nos disseram, em vésperas de eleições, que a sobretaxa seria devolvida. Vejamos:

 

Ex-Primeiro-ministro – 27 de setembro de 2015: “Assumimos este compromisso: se a receita fiscal no IVA e no IRS ficar acima do que nós projetamos, então tudo o que vier a mais será devolvido aos contribuintes. E sabemos hoje que estamos em condições em 2016 de cumprir essa norma do Orçamento e que eles irão receber uma parte importante dessa sobretaxa.”

Hoje, sabemos que: “os contribuintes não vão receber qualquer devolução da sobretaxa de IRS paga em 2015, porque a evolução da receita de IRS e IVA durante o ano não foi superior à prevista no Orçamento do Estado de 2015.”

 

É claro que Pedro Passos Coelho sabia, à data, que a receita fiscal não ficaria acima do planeado no orçamento. Fomos enganados? Fomos. Andaram a brincar? Andaram.

25
Jan16

O Povo é sempre soberano

Diogo Moreira
Uma das coisas mais simples que define uma democracia é também uma das mais difíceis para aceitar para muitos: a soberania absoluta dos resultados eleitorais em eleições livres. Em termos simples, o povo nunca se engana quando vota, e os eleitores têm sempre razão. Não interessa quais as nossas opiniões individuais sobre cada uma das candidaturas, e sobretudo sobre o vencedor. A "Polis" manifestou a sua opinião, e esta prevalece sempre todas as outras. É esta a génese da legitimidade democrática. Marcelo Rebelo de Sousa é o Presidente de todos os portugueses. E esta, democraticamente, foi a decisão correcta. Será ele capaz de ter a actuação correcta no cargo? Isso é outra questão, que só o futuro poderá responder.
22
Jan16

Guia Rápido para as Eleições Presidenciais

João Gaspar

Atenção! Este post contém o nome do próximo Presidente da República.

 

voto.jpg

 

 

Henrique José de Sousa Neto - cidadão extremamente zangado com o mundo em geral e com a actual direcção do PS em particular. Fez previsões sobre o terrorismo e a economia e nós não ligámos. Mais ou menos como o Medina Carreira.

António Manuel Seixas Sampaio da Nóvoa - o ex-reitor. Tem dois doutoramentos mas o outro é que é conhecido como o Professor. Tem o desplante de se apresentar com uma barba mal aparada, uma visão para o país e para o mundo, uma posição sobre as políticas a seguir em Portugal, uma carta de princípios, uma série de causas bem definidas, uma catrefada de mandatários e o apoio de todos os ex-presidentes da República vivos. O PS finge que não o apoia.

 

Cândido Manuel Pereira Monteiro Ferreira - no primeiro debate anunciou que se retirava devido ao tratamento desigual das diferentes candidaturas. Sempre que teve tempo de antena queixou-se do pouco tempo de antena que tinha. Ah, foi o sonso porta-voz das insinuações caluniosas sobre a licenciatura do Sampaio da Nóvoa.

Edgar Freitas Gomes da Silva - ocupa um lugar obrigatório em eleições presidenciais: o candidato do PCP. Por inerência, sabemos muito bem o que pensa. Os jornalistas fizeram o juramento de não dar nenhuma notícia em que não se refiram a ele como «ex-padre». Andou metido com Deus e com Marx ao mesmo tempo. Optou pelo mais-poderoso.

 

Jorge Manuel Pais Seara Rodrigues Sequeira - o Pedro Chagas Freitas, o Gustavo Santos e o Miguel Gonçalves entraram num bar. Enfiaram-se na bimby. Saiu um Jorque Sequeira. É um livro de auto-ajuda com óculos.

 

Vitorino Francisco da Rocha e Silva - o artista anteriormente conhecido como o Tino de Rans, como a comunicação social fez questão de frisar sempre que se referia a ele. Aos microfones da TSF fez questão de nos explicar que prefere ser tratado «com carinho». Representa e percebe a igualdade republicana em todo o seu esplendor. Há poucas dúvidas de que é o Tino de Rans.

 

Marisa Isabel dos Santos Matias - é a Marisa (o paternalismo machista dispensa apelidos). Eurodeputada. Candidata oficial do Bloco e do Podemos. Foi alvo de ataques misóginos durante a campanha, o que infelizmente já era de esperar, visto que cometeu a ousadia de se candidatar a umas eleições em Portugal em 1516.

 

Maria de Belém Roseira Martins Coelho Henriques de Pina - é a candidata oficial do PS de 2012. Ex-presidente do partido, ex-ministra da Saúde e da Igualdade. Temente a Deus, não acha muito bem essa modernice das mulheres decidirem sobre a IVG nem dos homens se casarem uns com os outros. Candidatou-se porque o Francisco Assis não teve coragem. 

 

Marcelo Nuno Duarte Rebelo de Sousa - Ex-presidente do PSD. Comentador na Faculdade de Direito de Lisboa e professor na TVI. Tentou ser primeiro-ministro - não conseguiu. Tentou ser presidente da Câmara de Lisboa - não conseguiu. Tenta agora ser Presidente da República. Nadou no Tejo, andou de táxi, já disse tudo e o seu contrário. Muitos acham que é bom político mas ninguém sabe muito bem porquê. O seu grande feito político foi ter enganado o Paulo Portas com a ementa. Esteve com o Ribeiro e Castro e o PNR numa manifestação contra o casamento entre pessoas do mesmo sexo. É um beato, intriguista e mentiroso. Tem o apoio do PSD e do CDS. E do Observador. E do Expresso. E do Público. E da SIC. E da TVI. E da RTP. E da TSF. E do Correio da Manhã.

 

Paulo Alexandre Baptista Teixeira de Morais - o do cabelo à PlayMobil*. O que está sempre a dizer corrupção mas nunca fala de casos concretos de corrupção. Um demagogo populista. Militante do PSD durante décadas, coisa que a comunicação social se esquece sempre que diz que o Marcelo é o único candidato de direita. Os outros são todos corruptos. Ironicamente, ele é a pessoa que mais corrompe o combate à corrupção.
*espero que a PlayMobil não me processe.

 

Pág. 1/3

«As circunstâncias são o dilema sempre novo, ante o qual temos de nos decidir. Mas quem decide é o nosso carácter.»
- Ortega y Gasset

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

No twitter

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D