Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

365 forte

Sem antídoto conhecido.

Sem antídoto conhecido.

17
Nov12

Tão natural como a sede de "um homem invulgar"

mariana pessoa

Pedro Marques Lopes e Pedro Adão e Silva chamaram-lhe "liberalismo de contra-capa". 

 

Certo é que Passos Coelho, então líder do PSD, em diálogo com as suas "(...) caniches, companheiras de muitos anos, (...) e que o escutam como se nenhuma das suas palavras fosse desperdício", já tinha postulado que havia Estado a mais em todo o lado, em particular em áreas tão dispensáveis como a saúde, educação e segurança social. Coisa do passado? Nem por isso: o esvaziamento das funções sociais do Estado, no âmbito da amada "refundação", consagra a "liberdade de escolha" nestas três dimensões matriciais do Estado e mantém-na na agenda política. 

 

Convenhamos que a liberdade de escolha é uma puta bem vistosa e por isso serve de argumento bastante poderoso. 

Mas nem tudo o que luz é ouro. E se a liberdade de escolha passar a ser o bem supremo para as funções sociais do Estado, quero já o meu dinheirinho para recorrer a segurança privada, já que quanto à do Estado a minha relação é complexa. 

 

O cheque ensino, na educação, por exemplo, é objecto de arremesso de propaganda. A Suécia tem-se assumido como caso de sucesso, mas é o próprio presidente da Agência para a Educação sueca que afirma que o sistema introduzido em 2012 não levou a resultados melhores, bem pelo contrário: pioraram abruptamente os resultados da Suécia no PISA.

 

 

A minha questão é outra: está por provar que os resultados das escolas privadas - aparentemente melhores que o das escolas públicas nestes rankings simplistas e desmiolados que aparecem uma vez por ano nos media - não se baseiem na selecção de alunos (o que não é permitido a uma escola pública) e no facto de estes partirem em vantagem, por pertencerem a famílias de nível sócio-económico e sócio-cultural mais elevado, caracterizadas pela estimulação e promoção cognitiva. Por outro lado, o Tribunal de Contas já deu dados: Num colégio financiado pelo Estado, um aluno custa mais 107 euros que numa escola pública. Lá se vai o corte na despesa por esta via...

 

Pode ser que enfrentem a mesma contestação ocorrida o ano passado, no Chile, por causa desta razão, entre outras.

 

«As circunstâncias são o dilema sempre novo, ante o qual temos de nos decidir. Mas quem decide é o nosso carácter.»
- Ortega y Gasset

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

No twitter

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D