Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]



15
Dez

Pode haver quem julgue haver má-fé nas declarações de Marques Mendes sobre a gestão da bancada por ocasião das negociações da reforma do IRC. O dolo de apresentar o PS como tendo facções sectárias e estáticas no tempo. Como se os processos partidários de identificação correspondessem automaticamente a dissensões quando são registados nos partidos de oposição e fossem salutares dinâmicas doutrinárias quando acontecem nos partidos do poder.

 

Se pode haver quem julgue haver má-fé da parte de Marques Mendes, já eu julgo que Marques Mendes mantém intacta a sua perspicácia para as dinâmicas partidárias. A mesma perspicácia que fez que deixasse de ser líder do PSD num ápice.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)




Sitemeter



Comentários recentes

  • Jaime Santos

    Eu não entendi o comentário do Diogo Moreira nesse...

  • MRocha

    Se está na lei que devem ser públicas, cumpra-se a...

  • Jaime Santos

    Trump, além de mentiroso, é sobretudo um egomaníac...

  • Joe Strummer

    Pois, mas convem não deixar que noutro lado se ins...

  • Anónimo

    E estou eu contratado pelo estado à 16 anos.







«As circunstâncias são o dilema sempre novo, ante o qual temos de nos decidir. Mas quem decide é o nosso carácter.» Ortega y Gasset