Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]



15
Dez

Vencer a resignação

por Nuno Oliveira

Vi há pouco que na sua página no Facebook, o Secretário-Geral do PS, António José Seguro, faz um desafio a que os leitores se juntem na construção de um "novo rumo". Pelo caminho, convida: "vença a resignação e junte-se a milhares de portugueses para darmos um novo rumo ao nosso país."

 

Sempre tive a sensação que se tenta evitar a utilização de sentimentos negativos. Sobretudo quando se faz associações, quando se projecta esses sentimentos naqueles que pretendemos cativar, mobilizar. A resignação não é um sentimento positivo e seria perfeitamente possível ser substituída por um sentimento positivo.

 

E depois o "vença". A expressão "vença a resignação" parece deixar a pessoa entregue a si própria para ultrapassar o seu conformismo. Em alternativa poderia ser usado um imperativo "Mobilize-se!" Mas face ao restante texto da mensagem até seria redundante pelo que a expressão "vença a resignação" poderia ser eliminada sem mais. Todo o restante texto é clássico e eficaz "ajude-nos a construir" e "junte-se a milhares de portugueses".

 

Que fique claro que admito que o meu comentário tem a mesma petulância do adepto que na bancada exige a presença do jogador X ou Y, ou que clama por uma alteração táctica. E que estou consciente que quem escreveu o texto estará certamente muito mais capacitado que eu. Contudo, não obstante ter noção de tudo isto, não deixo de estranhar que uma tal expressão possa surgir num texto de mobilização do candidato a Primeiro-Ministro de Portugal.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)




Sitemeter



Comentários recentes

  • João Rosa

    Este post já tem algum tempo mas desde que se inic...

  • Zzzzz

    Qualquer comparação, equiparação, ao nazismo, abso...

  • Sérgio Lavos

    Concordo, devemos respeitar quem é diferente de nó...

  • Bruno

    Muito sinceramente, isto é tudo muito lindo, mas h...

  • alvaro silva

    Só vejo dores de cotovelo e premonições de catástr...







«As circunstâncias são o dilema sempre novo, ante o qual temos de nos decidir. Mas quem decide é o nosso carácter.» Ortega y Gasset