Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]



13
Nov

Religião?

por André Fernandes Nobre

Diogo, não acho que seja uma questão de fé.

 

Como se diz nos EUA, é só business as usual.

 

A diferença entre as nossas perspectivas reside, na minha opinião, no facto de considerares que este Governo está empenhado em reformar alguma coisa e em ter sucesso. Eu, confesso, não tenho tanta crença nas boas intenções destas pessoas. O objectivo já é falhar (tão rapidamente quanto possível). E falhar tão estrondosamente que percamos a capacidade de nos opormos àquilo com que não concordamos.

 

É a única forma de explicar que, por exemplo, se prepare um Orçamento de Estado (ver págs. 42 e 46) com pressupostos errados.

 

Se a intenção fosse implementar o Programa de forma a permitir o saneamento das contas públicas, não mandaria a racionalidade que  os cálculos relativos à previsão do défice para 2012 não fossem feitos de forma conservadora?

Autoria e outros dados (tags, etc)


1 comentário

De Diogo Serras a 13.11.2012 às 14:34

André,

O domínio das intenções é sempre mais complexo, por falta de capacidade de prova. Depois dos anos em que convivi de perto com a ideologia que agora nos governa não me espanta que o nível de supressão da realidade na aplicação pratica dos modelos seja efectivamente tão alto. De alguma forma, preferia a tua explicação - ainda assim significaria que não estamos perante fanáticos. Temo, no entanto, que não haja qualquer propósito na acção deste governo para além da criação das condições para que surja a tal fada da confiança.

Comentar post




Sitemeter



Comentários recentes

  • João Rosa

    Este post já tem algum tempo mas desde que se inic...

  • Zzzzz

    Qualquer comparação, equiparação, ao nazismo, abso...

  • Sérgio Lavos

    Concordo, devemos respeitar quem é diferente de nó...

  • Bruno

    Muito sinceramente, isto é tudo muito lindo, mas h...

  • alvaro silva

    Só vejo dores de cotovelo e premonições de catástr...







«As circunstâncias são o dilema sempre novo, ante o qual temos de nos decidir. Mas quem decide é o nosso carácter.» Ortega y Gasset