Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]



Ao contrário do André tenho dúvidas que o texto de Alegre tenha o Assis como alvo. Se calhar o texto até o tem como pretexto mas parece ir muito além de Francisco Assis.

 

E não obstante concordar com Alegre na ideia de se pretender colocar um anátema sobre certas ideias dentro do partido sob a capa de não terem "responsabilidade" ou "sentido de Estado", tenho algumas dúvidas quanto à forma usada. É que a estratégia de Manuel Alegre parece ser uma inversão típica da afirmação pela negativa. Quando alguém afirma "não estou com isto a querer dizer que o senhor é ignorante" com alta probabilidade é essa mesma a ideia que se pretende transmitir.

 

Primeiro, presumo que por uma questão de estilo ou retórica, Alegre apresenta um quadro maniqueísta quando sabemos que para muitos militantes e simpatizantes aqueles posicionamentos estão longe de ser completamente estanques.

 

Adicionalmente, Alegre parece querer substituir um anátema por outro. Parece pretender alegar ser de facto ele o verdadeiro socialista não o sendo quem defende as teses contrárias. E, apesar de partilhar algumas senão todas as preocupações expressas por Alegre, esta retórica parece-me um mau caminho.

 

Creio que teria sido bem mais útil às posições que Manuel Alegre defende uma fundamentação sólida contra certas ideias que alguns no Partido Socialista defendem ao abrigo da "responsabilidade" e outros termos imponentes. Uma refutação consistente dessas ideias teria sido bem mais útil ao país e ao ideário socialista.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)


3 comentários

De Anónimo a 04.12.2013 às 15:08

Não tenho duvidas que é para o Luís Amado.

De Anónimo a 04.12.2013 às 15:58

Concordo em absoluto com Nuno Oliveira, em 2 aspectos. Na forma maniqueísta e redutora, e da utilidade da definição do Bom e do Mau. Não tem em boa verdade alvos pessoais bem determinados, até porque poderemos com os pés bem assentes da terra, oscilarmos. Não há só preto e branco. E estar a olhar para o texto como dirigido, parece-me redutor e não ser justo com Alegre. Mas de Alegre esperamos mais e melhor para defender as causas em que milita.

De Perplexo a 04.12.2013 às 18:04

Parece-me que o texto não é dirigido a um interlocutor em especial - embora haja vários possíveis para enfiar esse "barrete", como Assis ou Amado, mas não só. O que me parece é que o texto reflecte a enorme disputa que deve correr actualmente dentro do PS sobre o rumo a seguir.
Não conheço as entranhas do partido, mas mesmo um observador superficial vê vários grupos - soaristas, socratistas, costistas, seguristas - e diversas propostas. Sendo Seguro muito fraco, pelo menos ao nível da cupula, em Lisboa (tem os seus apoios nas concelhias, com certeza), devem andar todos a discutir no largo do Rato.
Os factos, pelo menos neste momento, indicam que o PS ganha as eleições mas sem maioria absoluta o que levará a uma coligação com Portas. O problema não é a prostituta, claro, é o pudor do cliente; há muita gente no PS que considera essa opção vergonhosa. Muito sangue ainda vai correr para aquelas bandas...

Comentar post




Sitemeter



Comentários recentes

  • Zzzzz

    Qualquer comparação, equiparação, ao nazismo, abso...

  • Sérgio Lavos

    Concordo, devemos respeitar quem é diferente de nó...

  • Bruno

    Muito sinceramente, isto é tudo muito lindo, mas h...

  • alvaro silva

    Só vejo dores de cotovelo e premonições de catástr...

  • J P C

    Se é isso o que o meu comentário lhe faz lembrar, ...







«As circunstâncias são o dilema sempre novo, ante o qual temos de nos decidir. Mas quem decide é o nosso carácter.» Ortega y Gasset