Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]



Apelo tanto mais grave, o de Cavaco, quanto não apelou ao uso de pedras nem paus mas antes ao uso de engenhos explosivos.  

 

Ah!, responderão alguns, mas a diferença é que Soares faz avaliações que de tão insistentes só podem ser interpretadas como apelos à violência ou configurar o uso de linguagem agressiva.

 

Atente-se então às sucessivas declarações de Cavaco. No discurso de Ano Novo de 2010 alerta para situação potencialmente explosiva. Passado um ano insiste em falar numa situação que quase parece explosiva. Para de novo usar a expressão em Junho de 2011 ao dizer que o país tinha chegado a uma situação explosiva ainda a procissão da austeridade ia no adro.

 

Sabemos que a política é amiúde feita de critérios dúplices. Ainda assim, importa desmontar os lamentos de virgem ofendida de responsáveis da maioria perante a dureza de quem, como Mário Soares, não se conforma com a calamidade a que este Governo nos conduziu e que, para cúmulo, pretende acentuar.

 

Nota: para os ouvidos mais sensíveis da maioria aqui fica o esclarecimento sobre o que é um apelo. Um apelo à violência é isto: "Corram-nos à pedrada, a sério. Arranjem lá um grupo e corram-nos à pedrada. Eu estou a medir muito bem aquilo que digo".


Autoria e outros dados (tags, etc)


2 comentários

De josé neves a 23.11.2013 às 19:55

Falta na cavaquistal lista o apelo ao "sobressalto cívico" aos jovens numa visita a uma escola privada.

De Nuno Oliveira a 24.11.2013 às 09:06

Nem mais. Tem toda a razão. Ficou a faltar-me essa. :)

Comentar post




Sitemeter



Comentários recentes

  • Jaime Santos

    Eu não entendi o comentário do Diogo Moreira nesse...

  • MRocha

    Se está na lei que devem ser públicas, cumpra-se a...

  • Jaime Santos

    Trump, além de mentiroso, é sobretudo um egomaníac...

  • Joe Strummer

    Pois, mas convem não deixar que noutro lado se ins...

  • Anónimo

    E estou eu contratado pelo estado à 16 anos.







«As circunstâncias são o dilema sempre novo, ante o qual temos de nos decidir. Mas quem decide é o nosso carácter.» Ortega y Gasset