Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]



13
Nov

Louçã e as primárias

por Nuno Oliveira

Há poucos animais mais perigosos, num país desesperado, do que os populismo, escreve Louçã. Apetece corrigir para Há poucos animais mais perigosos, num país desesperado, do que os espantalhos.

 

Louçã diz que as primárias não são a salvação. Não sei se alguém se terá referido às primárias nesses termos. Para mim, por exemplo, são só uma solução, uma boa solução que se justifica implementar e avaliar.

 

Mas pode responder-se a Louçã na mesma moeda distorcendo as palavras dele: é caricato pretender que a democracia portuguesa acaba com a implementação de primárias abertas a independentes. Mas adiante.

 

O que mais inquieta na posição de Louçã é que é difícil imaginar que não conheça as experiências de outros países onde, em abstracto, os mesmo problemas se colocariam e, surpreendentemente, não ocorreram. Como não ocorreram quaisquer outros numa magnitude que ofuscasse o ganho de representatividade, dinamismo e projecção que as  primárias conferem.

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)




Sitemeter



Comentários recentes

  • Jaime Santos

    Eu não entendi o comentário do Diogo Moreira nesse...

  • MRocha

    Se está na lei que devem ser públicas, cumpra-se a...

  • Jaime Santos

    Trump, além de mentiroso, é sobretudo um egomaníac...

  • Joe Strummer

    Pois, mas convem não deixar que noutro lado se ins...

  • Anónimo

    E estou eu contratado pelo estado à 16 anos.







«As circunstâncias são o dilema sempre novo, ante o qual temos de nos decidir. Mas quem decide é o nosso carácter.» Ortega y Gasset