Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]



 

Ainda antes de ter visto o vídeo, o tão anunciado vídeo que Marcelo Rebelo de Sousa promoveu para mostrar aos alemães como são na realidade os portugueses (só o propósito já me faz tanta confusão), li este post. Entretanto, o filme foi divulgado e, se possível, ainda acredito mais nesta visão.

 

Eis um excerto:

"(...) Marcelo Rebelo de Sousa podia ter preparado um filme informativo para oferecer às televisões alemãs, podia ter optado por divulgá-lo na internet, mas não: escolhe uma praça fria, a uma hora onde no máximo há um punhado de turistas a caminho do restaurante ou de algum espectáculo, para "fazer chegar a mensagem aos seus destinatários".

Não é por nada, mas quer-me parecer que os destinatários desta mensagem são os portugueses, e isto é um mero acto de campanha eleitoral. Sendo assim, ainda bem que lhe recusaram a projecção do filme: fez um brilharete perante os verdadeiros destinatários, e poupou o dinheiro do aluguer. Mission accomplished".

 

Divulgado o filme há duas posições: A dos que falam sobre a qualidade do filme. (Sim é mau tecnicamente e de conteúdo. O conteúdo é básico e amador). E os que se indignam com os alemães que "proibiram a transmissão do vídeo por não quererem ver as verdades" e elogiam "a coragem de Marcelo Rebelo de Sousa" em tê-lo promovido. Estes últimos, que dizem que Portugal também devia proibir a visita de Angela Merkel, prometem partilhar o vídeo até à exaustão.

 

Como diz aquele excerto do post: "Mission accomplished"! Uma grande acção de campanha... e low cost.

Autoria e outros dados (tags, etc)




Sitemeter



Comentários recentes

  • Zzzzz

    Qualquer comparação, equiparação, ao nazismo, abso...

  • Sérgio Lavos

    Concordo, devemos respeitar quem é diferente de nó...

  • Bruno

    Muito sinceramente, isto é tudo muito lindo, mas h...

  • alvaro silva

    Só vejo dores de cotovelo e premonições de catástr...

  • J P C

    Se é isso o que o meu comentário lhe faz lembrar, ...







«As circunstâncias são o dilema sempre novo, ante o qual temos de nos decidir. Mas quem decide é o nosso carácter.» Ortega y Gasset