Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

365 forte

Sem antídoto conhecido.

Sem antídoto conhecido.

09
Nov12

Suserania política

Pedro Figueiredo

O tema que abriu a Quadratura do Círculo desta semana foi a próxima vinda de Angela Merkel a Portugal.

Lobo Xavier abriu o debate e a sua intervenção andou à volta de considerar um disparate a elevação da chanceler alemã à condição de persona non grata no nosso país.

 

Pacheco Pereira falou a seguir. Começou por dizer que primeiro era preciso saber o que vinha a Sra. Merkel cá fazer. E assim como perguntou, respondeu: vem apoiar o Governo. As explicações ficam aqui transcritas:

 

«Fica a ideia de suserania política sobre Portugal e isso não me agrada. É uma realidade dos factos e também não acho que seja tão ostensiva para ser a principal razão para justificar as reacções, mas está implícita a ideia que quando um importante agente estrangeiro, com poder de veto na Europa, ou seja não se faz nada que não tenha o apoio da Alemanha, venha a um país como Portugal, intervencionado para apoiar o seu governo e portanto implicitamente a política desse governo, ela está a dizer que tem uma suserania política qualquer sobre esse governo. Isso incomoda-me noutro sentido. É que é errado concentrar as atenções na Senhora Merkel. Uma das coisas que a oposição está a fazer é que o mal está a visitar-nos na segunda-feira. E isso tem um efeito desresponsabilizador sobre o governo e as políticas do governo».

 

Continuou a explicar que há políticas seguidas de acordo com o que foi acordado com a Troika, mas as medidas tomadas para a implementação dessas mesmas políticas já se provaram estarem erradas. Pergunto-me até quando é que a incompetência continuará a ser ignorada. E nem sequer me estou a lembrar (ou esperasse) que de Belém viesse algum sinal de vida. Vamos, com certeza, ver sua excelência sorridente a apertar a mão à chanceler para as fotografias. Aliás, no caso do actual inquilino presidencial, o maior legado que deixará aos portugueses será o de os ter realmente colocado a pensar: «Assim, para que é que é preciso um Presidente da República?»

«As circunstâncias são o dilema sempre novo, ante o qual temos de nos decidir. Mas quem decide é o nosso carácter.»
- Ortega y Gasset

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

No twitter

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D