Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

365 forte

Sem antídoto conhecido.

Sem antídoto conhecido.

20
Out13

Da surrealidade

David Crisóstomo

 

"O que posso dizer é o princípio pelo qual eu normalmente me rejo nestas situações: faço uma avaliação cuidadosa, recolhendo o máximo de informação sobre os custos de um orçamento não entrar em vigor no dia 01 de janeiro e os custos que resultam de eventualmente uma certa norma ser considerada inconstitucional já depois de o orçamento estar em vigor"

 

Acima cito o supremo magistrado da nação. O que, como é descrito no artigo 120º da CRP, garante da independência nacional, a unidade do Estado e o regular funcionamento das instituições democráticas. Parecendo que não, é ele. É ele que nos revela as suas prioridades quando lhe chega à Rua de Belém um projecto de lei do qual há dúvidas sobre a sua constitucionalidade. Primeiro vê quanto é que custará tal diploma ser declarado ilegal e depois logo decide se exerce o dever para o qual foi eleitoralmente mandatado. Ou seja, se à escrivaninha de Aníbal Cavaco Silva chegar uma proposta de Orçamento de Estado que contemple um confisco de todos os salários da função pública ou que determine o encerramento sine die de todos os hospitais, universidades, centros de saúde e escolas públicas, sua excelência o Presidente da República promulgará tal diploma e depois, se estiver para aí virado, solicitará a fiscalização sucessiva da constitucionalidade de tais normas. Melhor: se o governo decidir nesse mesmo orçamento suspender o financiamento do Tribunal Constitucional, Cavaco Silva nada fará. O Presidente está, com declarações deste género, a clarificar uma já presumida e aterradora carta branca ao governo português: 'ponham lá o que quiserem, não serei eu a impedir que o orçamento entre em vigor'. Isto é, o represente da república portuguesa clarifica a sua inutilidade para a protecção dos princípios inscritos na lei fundamental do país. Não quer chatear nem ser chateado. Quer 'acabar o mandato com dignidade'. Com a dignidade de quem trai a república, de quem trai os portugueses, de quem trai o juramento que outrora fez:

 

Juro por minha honra desempenhar fielmente as funções em que fico investido e defender, cumprir e fazer cumprir a Constituição da República Portuguesa.


 

«As circunstâncias são o dilema sempre novo, ante o qual temos de nos decidir. Mas quem decide é o nosso carácter.»
- Ortega y Gasset

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

No twitter

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D