Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]



07
Nov

Epifania à vista?

por Nuno Pires

 

O Jornal de Negócios noticiou que as novas encomendas às fábricas alemãs tiveram em setembro a maior queda deste ano.

 

Como a notícia descreve, entre outros motivos para esta redução, verificou-se uma diminuição nas exportações da Alemanha. Sabendo-se que boa parte destas exportações têm como destino países europeus, rapidamente se estabelece uma ligação que para muito boa gente já não é novidade.

 

A verdade é que a Alemanha começa a ser atingida pelas consequências diretas das políticas de austeridade que orgulhosamente defende e que, infelizmente, continuam a infligir danos em várias economias europeias e a ferir a coesão e a solidez da União. Mesmo a maior economia europeia começa a revelar sinais de fadiga, como consequência da teimosia de pessoas como Angela Merkel ou Wolfgang Schäuble em impor aos seus parceiros europeus (parceiros – não súbditos ou subordinados), políticas de austeridade que se revelam contraproducentes.

 

Pode ser que a constatação desta queda nas encomendas à indústria alemã funcione como uma espécie de epifania para alguns dos que ainda conseguem conjeturar sobre a existência de benefícios resultantes de políticas de austeridade cega e aplaudir quando alguém diz algo tão patético como ser necessária austeridade para “convencer o mundo de que vale a pena investir na Europa”.

 

É que, por este caminho, um dia poderá não haver “Europa” para investir.

 

(Imagem)

Autoria e outros dados (tags, etc)




Sitemeter



Comentários recentes

  • Zzzzz

    Qualquer comparação, equiparação, ao nazismo, abso...

  • Sérgio Lavos

    Concordo, devemos respeitar quem é diferente de nó...

  • Bruno

    Muito sinceramente, isto é tudo muito lindo, mas h...

  • alvaro silva

    Só vejo dores de cotovelo e premonições de catástr...

  • J P C

    Se é isso o que o meu comentário lhe faz lembrar, ...







«As circunstâncias são o dilema sempre novo, ante o qual temos de nos decidir. Mas quem decide é o nosso carácter.» Ortega y Gasset