Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

365 forte

Sem antídoto conhecido.

Sem antídoto conhecido.

21
Set13

Deus nos livre e guarde de eleições

Pedro Figueiredo

É curioso que no dia em que Nouriel Roubini afirma que Portugal dificilmente escapará a um segundo resgate, algo que já vem a ser alertado há já algum tempo a esta parte, o Primeiro-ministro venha dizer que o país não pode passar por uma crise política que conduza a eleições antecipadas. Precisamente o cenário que se colocou para a queda do anterior governo, antes do final da legislatura então em curso, e eleição do actual executivo. Aliás, leviana tentativa de passar por cima de uma (das várias) crise política que a própria coligação criou após a demissão de Vítor Gaspar e que proporcinou ao país um dos mais lamentáveis episódios da democracia portuguesa, com o beneplácito presidencial.

 

É já tão indisfarçável o medo de uma nova ida a votos - que inevitavelmente marcará o fim já tardio desta frívola coligação e dos seus volúveis protagonistas -, que as declarações de Poiares Maduro a garantir que o país não vai precisar de um novo empréstimo vestem-se de forma ainda mais ridícula que os trajes de cerimónia da Joana Vasconcelos.

 

Vende-se, a todo o custo, a imagem que eleições antecipadas seriam uma desgraça para o país, verdadeiro papão de um crescimento fantasma que ninguém vê ou sente, quando ainda não se conhecem as novas medidas de austeridade, reveladas apenas depois das eleições autárquicas, não vá o anúncio estragar a já difícil tarefa de conseguir um bom resultado eleitoral. Seja lá o que considerarem ser um 'bom resultado', que nisto das avaliações pós-eleitorais é raro o partido que declara derrota. Basta lembrar que o único líder que não se mostrou satisfeito com os resultados nas legislativas de 2009 foi precisamente quem as venceu.

 

Compreende-se e exige-se que o país ganhe estabilidade, mas convenhamos que a actual situação pode ser adjectivada de tudo menos de estável. Se até os magistrados da nação, da sua superioridade intelectual, considera que o povo não sabe votar, Deus nos livre e guarde das eleições. Antecipadas ou outra qualquer.

«As circunstâncias são o dilema sempre novo, ante o qual temos de nos decidir. Mas quem decide é o nosso carácter.»
- Ortega y Gasset

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

No twitter

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D